O estigma de morar longe da cidade: repensando o consenso sobre as “cidades-dormitório” no Brasil*

(The stigma of living far away from the city: rethinking the Brazilian “dormitory towns” consensus)
Autor(es): Ricardo Ojima, Eduardo Marandola Jr, Rafael Henrique Moraes Pereira, Robson Bonifácio da Silva

Referência Geográfica: São Paulo
Ano: 2010
Nº: 24

PDF Clique aqui para baixar este artigo


Palavras-chave: demografia; migração; São Paulo; pólos de crescimento; desconcentração.
Keywords: demography; migration; São Paulo; growth poles; deconcentration.

Resumo
A redistribuição espacial da população no estado de São Paulo (SP), em paralelo ao arrefecimento no ritmo de crescimento demográfico da Região metropolitana de São Paulo (RMSP) nas últimas décadas, apresenta reflexos evidentes no que tange a formação de “novas espacialidades” predominantemente urbanas. Não obstante, a emergência dos pequenos municípios de economia mais diversificada, após terem experimentado décadas de declínio populacional, indica que a dispersão da população extrapola os limites das novas aglomerações metropolitanas e das cidades médias do interior paulista. O presente estudo tem o intuito de contribuir, em alguma medida, para o entendimento da desconcentração demográfica no estado, a partir de uma metodologia própria de análise do crescimento populacional e de mapeamento dos movimentos migratórios intraestaduais recentes.

Abstract
The population spatial redistribution in the state of São Paulo (SP), parallel to the slacking in the RMSP demographic growth rhythm in the last decades, presents clear reflexes of “new spatialities” formation, mostly urban ones. Notwithstanding, the arising of small municipalities with more diversified economy, after having experimented decades of population decrease, indicates that the dispersion of the population exceeds the new metropolitan agglomerations and the medium cities of São Paulo’s countryside limits. The present study aims to somehow contribute to the comprehension of the lack of demographic concentration in the state, based on a proper methodology of population growth analyses and recent inter-state migratory movement mapping.